Design para cervejarias artesanais [Tendência]

Não precisei de muito tempo para decidir um assunto para o artigo de hoje. Bastou olhar para minha estante do bar, na hora veio o clique, e pensei: “farei uma postagem sobre rótulos de cervejas.” Provavelmente, você pensou “Ah, que perda de tempo! Ele tá falando de rótulos de skol e brahma. Esses eu conheço!”. Se você pensou assim, pensou errado. Hoje iremos iniciar um assunto, que pessoalmente é muito interessante, design para rótulos de cervejarias artesanais.

Como designer e apreciador de cervejas, percebe-se logo de cara que os rótulos dessas cervejarias, são elementos que não conseguem passar despercebidos ao olhar. Suas metáforas visuais, cores e tipografias são extremamente diferentes dos rótulos populares. Sua abordagem é muito mais conceitual e cuidadosa, tendo alguns rótulos a exigência de um projeto de design hand-crafted, criando os próprios letterings e simbologia.

A intenção é fazer jus ao estilo artesanal – hand-crafted e Do It Yourself – e agregar valor ao produto desde o seu rótulo. Sendo assim, trouxe alguns exemplos de rótulos de cervejas brasileiras e internacionais, de países como Japão, Estados Unidos, Holanda, Bélgica e Dinamarca.

Lembro também que esse tipo de observação, é um processo importantíssimo na construção do repertório cultural e visual de cada profissional criativo. Um dos meus exemplos favoritos, é o da cerveja Medieval, produzida pela cervejaria brasileira Backer. Sua garrafa é menor, mais “gordinha”, completamente negra e sua tampinha é selada com cera avermelhada; fazendo alusão às cartas da idade média que eram seladas dessa forma. Nada como um escopo de projeto bem definido, ser transformado numa solução de design simples e emocional.

Criatividade transformam as cervejarias

 

Por se tratar de um segmento de nicho e de – aparente – recursos limitados para investimentos em mídia. As micro-cervejarias precisam se destacar num mercado que move aproximadamente US$40 bilhões, segundo pesquisa da Standard & Poor`s, por isso o branding, design e a criatividade são caminhos em que apostam para alcançar seu lugar ao sol. O exemplo perfeito para esse caso das cervejarias americanas Dogfish Head e Brooklyn.

A primeira em operação desde 1995, a micro-cervejaria de Delaware, tornou-se ícone de diferenciação no mercado. Além da indiscutível qualidade de seus produtos, a cervejaria fez uma grande aposta no marketing, publicidade e design para ganhar seu espaço sem grandes investimentos de mídia. Primeiro o fundador da empresa, Sam Calagione, afirma que é filosofia da sua empresa investir em design, marketing e criatividade. Abraçando o lema “off-centered beer for off-centered people” – cerveja descentralizada para pessoas descentralizadas -, o design gráfico de seus rótulos correspondem. Já tiveram contato com algum deles? São incríveis!

Com um grande estilo de DIY,  trocando em miúdos Do It Yourself, que lembra um pouco o estilo artístico de William Morris e do Arts & Crafts, a cervejaria criou uma tipografia própria que é aplicada em todo seu material, dos rótulos ao site, passando pela sinalização interna da fábrica. Percebemos que esta família tipografica possui um pé no século XIX, e realmente tem.
Seu estilo rústico vem de um conjunto de selos que foram recortados e digitalizados, tornando-se a fonte Doggie, parte importante da estratégia de branding da empresa. Se você se questiona e acha o estilo inacabado, rústico e cheio de ruídos muito confuso, não se preocupe, foi proposital. Assim como toda empresa iniciante, seus recursos limitados os impediam de conseguir um design sofisticado.
O logotipo foi desenhado pelo prórpio fundador, que afirma ter feito de forma intencional um emblema imperfeito. Ainda bem que não mudaram seu estilo, afinal foi ele que transformou a Dogfish Head no que é hoje, e também a mantém diferenciada das demais.

A Brooklyn também abusou da ousadia, quando um jornalista e um banqueiro se juntaram para reviver a boêmia do bairro nova-iorquino. Além de reproduzirem diversas receitas clássicas dos descendentes alemães a cervejaria precisaria de outra forma de se diferenciar se quisesse alcançar seu objetivo de trazer de volta o movimento cervejeiro à cidade de Nova Iorque.

A ousadia foi investir em branding e design elaborado para seus produtos. Para isso entraram em contato com Milton Glaser, o designer responsável pelo logo “I Love NY”. Glaser desenvolveu toda a identidade visual da marca, inclusive os rótulos das cervejas que entraram em comercializam. O sucesso não precisa ser discutido, hoje a Brooklyn é considerada umas das maiores micro-cervejarias da América.

 

Design? Isso não é para minha cervejaria!

 

Tenho certeza que você dono de sua micro-cervejaria, ao ler este artigo, logo disse “Ah, isso não é para mim não. Não tenho dinheiro!”. É aí que você se engana. O designer é um profissional treinado para ter a visão holística e entender todos os aspectos de um negócio e leva-lo a um patamar acima, principalmente quando envolvido com uma equipe multi-disciplinar. Independente da forma de pagamento – frisando que deve haver uma – a maior recompensa é ver um cliente satisfeito e um trabalho bem feito ser reconhecido. Mas entenda, design com ênfase no branding, não pode ser algo estabanado e preciptado. Deve ser bem planejado e os objetivos devem estar bem alinhados às estratégias e métricas, saber quais os KPI`s – Key Performance Indicators – analisar é tão importante quanto saber quais ações desenvolver. Aproveite que o mundo está dinâmico, a internet facilita as conexões e você pode conseguir vender seu produto para o mundo todo! Para finalizar, apreciem alguns modelos.

 

309_Cerveja_Sapporo_com_01unid._Long_Neck_355_ml_-_01unid._Lata_650_ml_-_01_Copo_-28Kits-29 design logotipo dogfish head design do rotulo da Dogfish Head com a fonte Doggie

tampa cerveja artesanal branding design cervejarias artesanais

marca logo brooklyn brewery

sixpack brooklyn brown ale pint cerveja artesanal new york

 

rotulo-cerveja_alta image-001-eisenbahn-021

By | 2016-07-27T12:35:53+00:00 agosto 12th, 2013|Criatividade, Design, Estudos de Caso, Publicidade|0 Comments

About the Author:

Business = Hustler, Designer = Hipster. CEO da Agência Elemento, um cara que ama conteúdo, aprendizado e New York City.